Siga @katherslynne

5 de mar de 2017

Entrevista com autor Levi Fernandes

O autor Levi Fernandes, que está patrocinando o RPG Ilha dos Desafios, nos deu uma entrevista.

Levi Fernandes, de Ponta Grossa interior do Paraná, radicado em Curitiba, fez da mania de escrever o sonho de um dia publicar. Alguma poesia cometida, alguma prosa ensaiada é a árdua, mas irreversível escalada do sonho.
 
Uma oficina literária ministrada pelo escritor, professor e filólogo Deonísio da Silva, reativam velhos textos ou deflagram novos, mil vezes corrigidos e engavetados. Concursos Literários com poesia, contos e até um romance são estímulo, ainda que as laudas simplesmente desapareçam nos silenciosos e frios “nãos” dos examinadores. Uma ou outra menção honrosa é onde esperança e sonho se agarram a cada naufrágio.
 
Finalmente, brilha um “sim” como um sol acima das linhas de textos que já fugiam longínquas como horizontes, concretizando-se a estreia do escritor.

 Assim, vai a público esta obra sem pretensões a Machado de Assis, na humilde esperança de que o desbaste do machado da crítica seja sempre um novo estímulo.



Confira a entrevista :


  • De onde você tira inspirações para seus poemas e poesias?

   De um pensamento; do cotidiano; de pessoas; de uma foto; de uma paisagem.
   Pensamentos são como a nuvem que passa e se desfaz. Você tem que pegá-la com o
   flash da alma. (Gostou do flash da alma?) A nuvem reflete um raio de sol; forma uma imagem, mas é fugaz. É olhar e pegar.



  •  Como é conseguir ver os sentidos da vida em coisas "aleatórias"?

    Não entendi bem a pergunta, mas posso dizer que coisas aleatórias inspiram debates, formulam perguntas. De repente alguém acende a luz. Consegui responder?




  • Dizem que um poeta costuma sofrer e de seu sofrimento vem sua inspiração, é verdade ?Normalmente é o mesmo motivo? Qual seria ele?


    Não é o meu caso. Sou de bem com a vida. Cada poema que julgo que ficou legal é               uma alegria. Num texto longo há o trabalho de organizar as idéias no papel. Quando organizadas é preciso ver se ao ser lido, será entendido. Engavetar, mas pensar sobre ele. Depois atacá-lo, amansá-lo, conquistá-lo. Quando pronto, decidir que há um momento de parar com correções. Ao final é mais uma alegria.1



  • É difícil para um autor achar uma editora para publicação? Como o processo ocorreu com você?

Difícil porque no Brasil o livro é caro. Caro pra publicar e caro pra comprar. E não é por culpa das editoras. No Brasil impostos além de escorchantes vem em sequência. Ao final todos os custos caem no colo do idiota do consumidor.

    Eu publiquei como autor independente, isto é, paguei para publicar. Editoras precisam recuperar investimentos e não apostam em autores desconhecidos.

    Mesmo pagando tive problemas. A revisora tinha pedido demissão. Demorou até acharem outra. Quando me mandaram as provas para eu conferir, foi uma decepção. A revisora em questão não tinha condições. Corrigiu o que estava correto e pulou erros. Mudou frases sem necessidade, interferindo no pensamento do autor. Não era uma profissional, mas uma curiosa. Fui duas vezes ao Rio de Janeiro debater com a editora o ressarcimento de parte do valor pago pela revisão. E pra não mais demorar, acabei eu mesmo fazendo a revisão. (Valha-me Deus) Por isso peço sempre desculpas aos meus leitores pelas possíveis falhas gramaticais ou concordância. Porém tudo é aprendizado para proceder diferente na próxima vez.




  • Quando tempo demorou para fazer o seu livro? Acha que valeu a pena?

    O tempo é relativo. Às vezes a ideia flutua anos em sua cabeça. Chega um tempo que as personagens querem o parto, querem sair a todo custo. É preciso atendê-los ou te enlouquecem. Há coisas que se escreve e se guarda. É preciso guardar tudo. Um dia os fragmentos de textos brotam se unem como num quebra-cabeça. Nem sempre em cascata como esperamos, mas promissores.
Por exemplo. Há alguns anos escrevi quase uma tese de cem folhas A4 sobre a briga de fronteiras entre portugueses e castelhanos a época do Brasil colônia na segunda metade do século XVIII. História do garimpo do ouro no Mato Grosso. A saga das monções que levavam provisões aos mineradores através de rios traiçoeiros. O pegas com espanhois e com os índios.  Retomei o texto, enfiei um casal de namorados que por circunstâncias se envolvem com a região. Foram raptados cada um por uma tribo de selvagens, e agora estão se virando pra resolver o problema. O problema é fugir e procurar um pelo outro entre os inúmeros perigos do pantanal. Pela minha ainda pouca experiência, estou vendo que quando se escreve sobre história de um país, no caso do Brasil, fatos reais oferecem bons cenários e subsídios para o desenvolvimento da trama.
    Vale a pena sim. Escrever um livro são as pegadas que você deixa no mundo.


  • O que significa o título do livro?
O título tem relação com o comportamento ardiloso das duas personagens femininas mais relevantes.
Também pretendo que o título, com um leve toque de sensualidade, sugestione o leitor, caso de passagem pela prateleira de uma livraria, a se voltar para uma segunda olhada.

  • Defina em três palavras, no máximo, o livro. Quais seriam as palavras que o autor gostaria que o livro dele despertasse em quem o visse?
ORIGINAL
FASCINANTE
SURPREENDENTE

  • Qual o público-alvo do seu livro? (Exemplo: jovens, crianças, mulheres etc)
Jovens e adultos.


  • Você quer passar qual conceito com o livro?

Prefiro que o leitor tire as conclusões. Entretanto, pressuponho a ideia de que o ser humano é susceptível às tentações e que sempre haverá alguém interessado em tirar proveito em benefício próprio.

E aí, o que acharam da entrevista? Já conheciam o autor? Não deixem de comentar.

16 comentários:

  1. Olá! Não conhecia o autor nem sua obra. Bem interessante saber sobre como ele enxerga o mundo e como surgem suas ideias para escrever. Desejo sucesso a ele nessa difícil caminhada que é ser autor, principalmente independente, no Brasil.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é bem interessante as ideias dele. Também espero pelo sucesso dele, a gente sabe como é difícil aqui ):
      Abraços

      Excluir
  2. Olá, tudo bem?
    Adorei a entrevista, não conhecia a obra, e a premissa não me cativou, quem sabe uma outra hora.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que pena... Pelo menos agora já conhece um pouco do autor <3

      Excluir
  3. Ah que maravilha de entrevista! Eu adoro conhecer autores nacionais e suas obras e fica melhor ainda quando podemos saber o que passa pela cabeça deles, da luta de conseguir ser um autor no Brasil.
    Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário <3
      É muito importante ajudar a divulgar autores nacionais e foi um prazer fazer isso pelo Levi, ele concordou em ceder 1 exemplar dele e confiou no nosso trabalho, esperamos muito sucesso na carreira dele!!

      Excluir
  4. Olá!
    Ótima entrevista, parabéns.
    O livro chama atenção, mas não é meu estilo literário. Realmente as dificuldades de um autor hoje em dia são grandes, com essa crise deve ter ficado pior ainda.
    Mas é legal ver um autor correr atrás do seu sonho não importa como, e nem as dificuldades que surgem no caminho.

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carolina!

      É uma pena que não seja do seu estilo, mas de todo modo, é bom sim ver o que autores nacionais passam, e o que mais me surpreende é que apesar de todos os altos e baixos, eles continuam levantando e seguindo em frente.

      Beijos

      Excluir
  5. Olá!
    Não conhecia o autor e nem a obra, essas entrevistas são ótimas para conhecermos melhor o autor e suas inspirações e seu processo de escrita e até mesmo de divulgação que hoje em dia é tudo para autores independentes.
    Parabéns pela entrevista e sucesso ao autor!

    Beijos!
    http://blogdatahis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Levi é um autor bem legal, conversei com ele algumas vezes, super acessível e bem simpático. E sim, essas entrevistas são bem interessantes porque divulga o autor, a sua obra e ainda nos deixa informados sobre como anda o mundo editorial e conhecer um pouco dos passos deles.

      Abraços

      Excluir
  6. Thai, nunca tinha ouvido do autor e nem de sua obra.
    Mas gostei muito da entrevista.
    Gosto de saber mais sobre os autores e suas inspirações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Deborah!
      Não conhecia o autor antes, mas agora já sabe um básico rsrs
      Ouvir as inspirações é maravilhoso, porque cada um tem a sua, ne?
      ABraços e obrigada pela visita <3

      Excluir
  7. olá... Ele é poético até respondendo as perguntas da entrevista :D
    que pena isso que aconteceu com a revisão do livro dele... não conhecia a obra mas fiquei curiosa pra ler...
    bjs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, pra você ver como autor nacional sofr ne...
      E sim, ele é bem poético até nas respostas rsrs
      Caso queira adquirir o livro, entre em contato que informamos melhor como fazer para adquirí-lo.

      Abraços

      Excluir
  8. Olá, adoro entrevistas, ainda mais quando não conhecia o autor...curto ainda mais.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Ficamos felizes em saber que ajudamos a divulgar um autor, não conhecia antes mas agora conhece rsrs

      Abraços

      Excluir

O que achou desse post? Encontrou algum erro ortográfico? Não deixe de comentar! Sua opinião é muito importante pra nós.
Não tem conta no google? Não tem problema.
Escolha a opção nome/url e coloque seu nome.
Volte sempre.