Siga @katherslynne

2 de jul de 2014

Entrevista com autores do livro Mais Além da Escuridão

1- Revelações é o segundo volume da série Mais Além da Escuridão. Quantos volumes estão previstos e como eles serão distribuídos?

A série terá seis volumes. Entre Nós foi o primeiro e é sem dúvida o mais light, onde apresentamos os personagens centrais aos leitores, além de darmos início ao romance entre o anjo e a Carlie. Em Revelações as coisas mudam. A história fica mais intensa, os personagens mais maduros e os leitores terão muitas surpresas, principalmente com os trechos relacionados á profecia e a batalha que acontecerá em Insurgência, o terceiro volume. Já os volumes 4, 5 e 6 contarão a história dos personagens individualmente, até que seus caminhos se cruzem, levando os leitores de volta ao ponto inicial da série.    

   
2- Para que idade vocês consideram que a série é recomendada?

Não gostamos de fazer restrições, mas é bom considerar que a trama apresenta trechos de lutas entre os vampiros e os anjos caídos, e algumas são bem violentas. Também é importante ressaltar que, principalmente á partir do segundo volume, existem vários trechos eróticos. Então, não consideramos a obra indicada para menores de quinze ou dezesseis anos.



3- Quanto tempo levou para escrever? 

O primeiro volume, levamos aproximadamente um ano e meio. Com Revelações foi mais rápido porque já tínhamos o roteiro pronto, então terminamos em dez meses.


4- Conte um pouco sobre os personagens centrais da trama.

Descrever a complexidade dos personagens é complicado. Renderia páginas e páginas. Então, vamos tentar resumir os pontos principais de cada um na história, sem soltar spoiler (risos).
Carlie Marie, a personagem central da trama, é uma garota que levava uma vida normal ao lado dos pais, na década de 30, até que um trágico acidente mudou sua vida. De repente, ela se vê sozinha no mundo e para piorar, descobre que foi transformada em vampira. 
Johnatan Fallen é o segundo personagem central. Um anjo que foi banido do céu após cometer um grande erro. Ele entra na vida da Carlie através de seus sonhos e vai ensinar para ela o sentido do amor. Mas durante a trama ele será envolvido em uma conspiração dos anjos caídos, para tentar realizar uma antiga profecia.
Donovan Hunter é o mentor de Carlie. Um vampiro de um clã poderoso, que a acolheu logo após sua transformação e ensinou tudo que ela precisava saber para sobreviver até os dias de hoje. Ele é apaixonado por ela, então já dá para imaginar que além de muita aventura e dos trechos de batalhas, teremos também um triângulo amoroso. Mas nada de romance água com açúcar. Vai rolar muita traição de todos os lados, intrigas e mistérios que os levarão a lidar com situações de perigo. Tudo isso fará com que eles sejam forçados a amadurecer.


5- Vocês acham que a série pode virar um Best Seller? Por quê?

Acreditamos que nossos livros tem potencial para isso. Sabemos da dificuldade que é para um livro se popularizar e ser lido por milhares de pessoas até alcançar a marca necessária para virar um Best Seller, e quando o livro é brasileiro, isso se torna ainda mais difícil. Mas confiamos no nosso trabalho e principalmente nas críticas que são constantemente publicadas sobre a obra.


6- Vários escritores exploraram o tema “vampiros”. O que torna a história de vocês diferente?

Existem diversas historias de vampiros, como você mencionou. A nossa não é melhor nem pior que as outras. Mas quase todas se passam fora do Brasil e na maioria delas, ou os vampiros são criaturas monstruosas e sanguinárias ou são românticos e passaram pela transformação na adolescência, permanecendo com aparência e comportamento em torno dos 17 anos. Nossos personagens vampiros são mais maduros. Tem entre 20 e 30 anos, o que nos permiti explorar o universo dos jovens, com seus conflitos, dilemas, aventuras, e isso torna a história mais interessante. Mas o ponto alto ainda é o fato de centralizarmos a trama aqui, no Brasil, com cenários conhecidos pela maioria dos leitores. É claro que a história não se restringe apenas a São Paulo. Eles viajam e muito, por vários países. Mas aproveitamos isso para levar o leitor junto com eles. Os trechos que escrevemos na Europa, por exemplo, são riquíssimos em detalhes, fazendo o leitor realmente se transportar para a cena. O modo como eles vivem também é muito diferente de tudo que já foi feito. Não podemos falar muito para não soltar spoiler, mas criamos uma raça vampírica moderna, antenada com a atualidade em todos os sentidos. Nos atrevemos a dizer que criamos o que seria o vampiro real ou se você preferir, evoluímos a raça até os dias de hoje.


7- Sentimentos negativos como ódio, ciúme, inveja, vingança, são motores bem regulados para a criação de uma obra?

Sem dúvida alguma! Já imaginou como é bom poder levar todas essas emoções para a história? É isso que dá veracidade a trama. Da mesma forma que usamos nossos momentos de felicidade, também aproveitamos os momentos de raiva, e até aqueles em que nos sentimos atrevidos. Acho que boa parte do livro foi escrito assim e pode ter certeza de uma coisa: é nesses momentos que saem as melhores ideias.


8- Quando iniciam um texto, vocês sabem antecipadamente o que vai acontecer?

Mais ou menos. Nós trabalhamos com um roteiro. Na verdade, criamos o roteiro de toda a série, até o sexto e último volume, antes de começar a desenvolver o primeiro livro. Assim, temos uma base com começo, meio e fim; tudo resumido em tópicos. Porém, não fazemos nada diferente dos autores que trabalham sozinhos. Fazemos muita pesquisa e quando começamos a escrever, lemos os tópicos do que será abordado em cada capítulo e damos início ao desenvolvimento do texto. É claro que existe a questão da emoção. Se vamos escrever um trecho de luta, por exemplo, precisamos encontrar uma maneira de sentir a adrenalina da ação. Se for para escrever um trecho de amor, é melhor que seja num dia em que estamos bem com nossos parceiros. Dependemos de muitas coisas para que tudo saia exatamente como queremos. Enfim, tudo muda de acordo com o momento e a circunstância. Cada um tem a sua técnica para entrar no personagem e vivenciar as emoções necessárias para escrever determinada cena.


9- Quando não conseguem ir adiante vocês rasgam o papel? Deletam tudo? O que vocês fazem? 

Nunca! Nenhuma ideia é totalmente sem valor a ponto de ser descartada. Mesmo quando a ideia não é boa, ainda há uma chance de melhorar. Sempre trocamos nossas ideias um com o outro. Assim se um escreve algo e não sabe como terminar, o outro termina ou se precisar melhora. Essa é a nossa fórmula.


10- Escrever um livro mudou suas vidas? Se sim, o que exatamente mudou?

Mudou e muito! Quando você começa a escrever tudo a sua volta se torna inspiração. Você vive uma determinada experiência, ou simplesmente observa alguém da sua relação passando por aquilo e pronto! Pensa logo em trazer essa situação para o seu mundo imaginário. Um universo imensamente rico se abre em sua mente. A possibilidade de criar um personagem baseado em uma pessoa real, com características que te remetem a alguém ou mesmo, brincar com manias que na verdade são suas, é muito fascinante. No final, tudo pode vira uma história, basta ter imaginação.



Um comentário:

O que achou desse post? Encontrou algum erro ortográfico? Não deixe de comentar! Sua opinião é muito importante pra nós.
Não tem conta no google? Não tem problema.
Escolha a opção nome/url e coloque seu nome.
Volte sempre.